Semana #3 Reutilizar coisas em geral e em particular também

Semana #3 Reutilizar coisas em geral e em particular também

Se reutilizar é um R bem reconhecido e aceite, a verdade é que nem sempre precisamos daquilo que já temos. Então, para não criar lixo, o que fazer?

Dar a outros é uma ideia e sempre houve formas de dar aquilo de que já não precisamos, seja outros próximos (familiares, vizinhos) ou a instituições da comunidade (igreja, casas de acolhimento para crianças, ligas de amigos dos hospitais, entre outros). Mas, se estamos na era da informação, podemos tirar também partido disso e já existem várias plataformas, mais ou menos especializadas, que permitem estas trocas desinteressadas (ou melhor, interessadas em diminuir o desperdício). 

Com uma pesquisa rápida no google ou nas redes sociais, temos facilmente acesso a uma série de nomes de grupos, páginas, perfis, etc onde uma comunidade inteira está disposta a dar aquilo que já não quer ter em casa, ou seja, é relativamente fácil encontrar grupos de trocas. Não será tão fácil talvez encontrar aquele grupo de trocas em que nos sintamos “em casa”, mas isto apenas porque a variedade é muita e muitos também os formatos. Mas com um pouco de paciência, tudo é possível.

Como qualquer grupo de trocas, quanto mais elementos houver, maiores as probabilidades de encontrarmos quem queira as nossas tralhas e também de encontrarmos tralhas dos outros que são interessantes para nós. Também é importante a organização, uma vez que esta facilita a pesquisa e agiliza a troca. Deixo-vos dois exemplos bem concretos de páginas de trocas que, pela minha experiência, funcionam bastante bem.

 

OLIO

A Olio é uma plataforma destinada à troca de comida que funciona através de uma aplicação. Ou, para ser mais preciso, dedica-se à disponibilização de comida que temos e não vamos usar, não necessariamente a trocas directas. É muito fácil de usar, tem um feed onde podemos consultar os artigos disponíveis e a que distância estão da nossa localização. É possível consultar o mapa e perceber se há outros membros da comunidade perto de nós. Ao colocar um artigo, o ideal é colocar foto, descrição, motivo pelo qual estamos a disponibilizar e localização. E, muito importante, é muito intuitiva e muito fácil de usar. A OLIO está disponível no Google Play, AppStore e também aqui.

 

WINKINGBOOKS

O Winkingbooks é um site para troca de livros. Funciona com um sistema de pontos em que ganhamos pontos com a disponibilização e o envio de livros. Se encontrarmos um livro que nos interessa, fazemos o pedido e a pessoa que tem esse livro tem de o enviar; devemos então dar feedback sobre o recebimento do livro e o estado em que está, nomeadamente se corresponde à descrição. De forma inversa, quando temos um livro disponível e este nos é pedido, temos um prazo para o enviar. Se o enviarmos e o feedback for positivo (isto é, o estado do livro corresponde à descrição), recebemos os pontos devidos. Uma vez que os CTT têm uma tarifa especial para envio de livros, é muito barato enviar os livros que nos pedem. O site funciona bastante bem, uma vez que é possível fazer wishlists, consultar feedback de outros utilizadores, o que permite ter mais confiança em que nos vai enviar um livro. Desde Setembro deste ano, existe ainda outra modalidade: “só troco este por aquele” em que é possível não só indicar que livros temos disponíveis, mas também exactamente aqueles pelos quais estamos dispostos a trocá-los. É uma óptima forma de pôr os livros a circular fora das prateleiras onde por vezes acabam por ficar anos e anos e anos. 

A WINKINGBOOKS está aqui.

 

Por norma, prefiro utilizar plataformas em formato de site ou aplicação, apenas porque a pesquisa costuma ser mais fácil e também a consulta de artigos. As páginas de facebook têm a limitação de funcionar com um feed onde é mais difícil pesquisar e mais fácil perdermos-nos. Estas últimas têm, no entanto, a vantagem de ser fáceis de criar, gratuitas e de fácil alcance para um grande número de pessoas. O ideal será procurar um pouco, pedir para aderir, seguir durante algum tempo e perceber com quais nos identificamos mais, seja do ponto de vista dos artigos para troca, forma de funcionar ou critérios geográficos. Felizmente, vivemos na era da informação e nunca houve tanta facilidade como hoje em chegar às pessoas.

 

Então, toca a reutilizar. Quem está connosco?

Deixem nos comentários a vossa experiência com sites ou sítios de trocas e sugestões de páginas dedicadas à reutilização.

***

Este artigo faz parte do desafio "52 ideias para fazer menos lixo/desperdiçar menos, mudar o mundo", que é isso mesmo, um desafio. E como este desafio há muitos. Não pretendemos estar a inventar nada, mas também não estamos a copiar ninguém. As ideias aqui sugeridas, e a sua apresentação em 52 semanas, pretendem, isso sim, ser apresentadas como algo acessível e passível de ser feito facilmente por todas as pessoas. Isto porque acreditamos que os caminhos longos, como este de ter uma vida mais sustentável, são mais difíceis de iniciar. Mas, como todos os caminhos, fazem-se com um passo de cada vez.