#18 Olho clínico em cada ida ao supermercado

#18 Olho clínico em cada ida ao supermercado

As mercearias a granel facilitam-nos a vida: têm os artigos todos disponíveis sem embalagem ou disponibilizam embalagens com baixo impacto. Como são lojas que nasceram, por norma, com a ética da sustentabilidade, preocupam-se com detalhes como esses e poupam-nos a necessidade de dizer, na caixa, que não queremos sacos. A ideia é mesmo essa!

Mas não há mercearias a granel em todas as cidades e, apesar de surgirem cada vez mais um pouco por todo o país, nem sempre estão tão à mão como os supermercados mais convencionais. Nestes, a história é outra: as coisas estão embaladas e nem sempre a embalagem é sustentável e amiga do ambiente. Aqui, todo o esforço é nosso, desde pedir para levar os artigos nos nossos sacos, caixas, frascos, à forma como lidamos com a resposta muitas vezes negativa a esse pedido e ao modo como acabamos por organizar as nossas compras e fazer as nossas escolhas. Pode ser um verdadeiro esforço ir ao supermercado com estas inquietações todas, porque todos os corredores colocam desafios dos grandes.

Felizmente, algumas marcas estão já mais despertas para a questão das embalagens mais sustentáveis (porque os clientes assim o vão exigindo), e portanto acaba por haver algumas alternativas interessantes para os produtos que nos habituamos a ver embalados em plástico. O desafio é, assim, ser muito selectivo nas embalagens que se traz para casa e, na medida do possível, trazer:

  • sem embalagem (fruta, legumes)
  • em embalagem que possa ser reutilizada escolher frascos de vidro em vez de plásticos sempre que possível)
  • em embalagem biodegradável (por exemplo, iogurtes em pacote de cartão em vez de plástico)

Felizmente também há a lei que proíbe a utilização de plásticos descartáveis e que estará em vigor em Portugal já no segundo semestre deste ano. Isto significa que os supermercados terão de preparar alternativas para, entre outras coisas, os sacos que disponibilizam gratuitamente para as frutas. Segundo esta lei, serão proibidos todos os plásticos pensados para apenas uma utilização. É possível que nessa altura seja mais fácil fazer as compras para quem anda sempre à procura de produtos com o mínimo de embalagem possível. Mas, mais do que isso, os supermercados moldam-se às tendências dos consumidores e está nas mãos de cada um de nós exigir aos supermercados onde vamos que mude as suas práticas e que, com o impacto que estas empresas têm, adoptem um modo mais sustentável de fazer os seus negócios.

***

Este artigo faz parte do desafio "52 ideias para fazer menos lixo/desperdiçar menos, mudar o mundo", que é isso mesmo, um desafio. E como este desafio há muitos. Não pretendemos estar a inventar nada, mas também não estamos a copiar ninguém. As ideias aqui sugeridas, e a sua apresentação em 52 semanas, pretendem, isso sim, ser apresentadas como algo acessível e passível de ser feito facilmente por todas as pessoas. Isto porque acreditamos que os caminhos longos, como este de ter uma vida mais sustentável, são mais difíceis de iniciar. Mas, como todos os caminhos, fazem-se com um passo de cada vez.

 

Créditos da imagem: @Dari, via Twenty20